Políticos portugueses envolvidos no escândalo Pandora Papers

Uma investigação recente da International Federation of Investigative Journalists (ICIJ) identificou três políticos portugueses com “segredos financeiros”.

“Milhões de documentos vazados e a maior parceria com a imprensa da história revelaram os segredos financeiros de 35 atuais e ex-líderes mundiais, mais de 330 políticos e funcionários públicos em 91 países e territórios e uma lista global de fugitivos, artistas Khan e assassinos, “disse o ICIJ.

“Documentos secretos revelam as atividades marítimas do rei da Jordânia, dos presidentes da Ucrânia, Quênia e Equador, do primeiro-ministro da República Tcheca e do ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair.” Esses arquivos também descrevem as atividades financeiras de bilionários.

De acordo com o jornal Express, que faz parte da federação, os três portugueses envolvidos são os ex-ministros Nuno Morris Sarmento (PSD) e Manuel Pinho (PS) e o ex-deputado socialista Vitalino Canas.

O relatório do Expresso revela que Nuno Morais Sarmento, actualmente vice-presidente do PSD, era beneficiário de uma empresa costeira registada nas Ilhas Virgens Britânicas e ajudou a comprar uma escola de mergulho e um hotel em Moçambique; Vitalino Canas tinha autoridade para agir em nome de uma empresa registrada nas Ilhas Virgens Britânicas para abrir contas em Meca; E Manuel Pinho era beneficiário de três empresas estrangeiras e transferiu o seu dinheiro para uma delas quando pretendia comprar um apartamento em Nova Iorque.

Nuno Morais Sarmento, advogado, foi ministro nos governos de Durão Barroso e Santana Lopes; Vitalino Canas, advogado, deputado socialista entre 2002 e 2019, secretário de Estado no governo de Antonio Guterres e porta-voz do BS liderado por José Sócrates; E o economista Manuel Pinho, que foi executivo do BES, foi Ministro da Economia durante o governo Sócrates entre 2005 e 2009 e atualmente é professor da Columbia University, nos Estados Unidos.

READ  As 30 Melhores Críticas De polishop Com Comparação Em

Luca tentou contactar Manuel Pinho e Nuno Morris Sarmento, mas ainda não foi possível. Vitalino deu esclarecimentos à Canas Expresso e disse não haver nada a acrescentar.

Três portugueses nos Pandora Papers deram explicações ao Expresso. Maurice Cermento justifica o acesso a uma empresa estrangeira com “restrições” para estrangeiros que se encontrassem em Morampic, Manuel Pinho disse não ter “rendimentos a reportar às autoridades fiscais de parte alguma” e Vitalino Canas afirmou que o caso referido se inseria “nos termos da lei portuguesa” na prática jurídica.

No mapa de pesquisa do ICIJ, foram identificados mais 19 políticos de língua portuguesa, nove em Angola, nove no Brasil e um em Moçambique.

A investigação revela que “o funcionamento interno da economia subterrânea beneficia os ricos e os mais influentes à custa de todos”.

A investigação condenou: “Muitos atores poderosos que ajudam a acabar com o sistema de paraísos fiscais se beneficiam em vez disso – seus ativos estão escondidos em empresas de fachada e fundos, enquanto seus governos têm feito pouco para conter o fluxo global de dinheiro ilícito que enriquece os criminosos e os pobres.”

ICIJ – Panama Papers publicou asilos financeiros em 2016 – Esta nova investigação emprega 600 milhões de jornalistas com base em “vazamento sem precedentes”, que diz ser “a maior parceria da história”. Jornal “.

Jornalistas, tecnologia e tempo precisam analisar milhões de documentos por ano.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

O Porta Voz