3.000 passageiros perdem seus voos enquanto Portugal bloqueia as rotas da Ryanair de Marrocos

No passado domingo, 31 de outubro, 3.000 passageiros portugueses não puderam viajar de Lisboa para o país devido ao cancelamento de voos da Ryanair por decisão do Ministério das Infraestruturas de Portugal de bloqueio de rotas com Marrocos.

Apesar de fazer parte do Acordo de Céus Abertos da UE com Marrocos, a decisão portuguesa de bloquear três novas rotas da Ryaner para Marrocos é clara, SchengenVisaInfo.com Relatórios.

Segundo a Ryanair, a decisão é inacreditável porque a companhia aérea irlandesa já tem o direito de voar de Portugal para Marrocos e já opera voos há mais de três anos.

Foi simplesmente ultrajante que os burocratas sem rosto do departamento de infraestrutura se recusaram a resolver o assunto em seus escritórios na sexta-feira e, em vez disso, desmontaram os planos de feriado de mais de 3.000 concidadãos e partiram para o fim de semana de feriado. O diretor comercial da Ryanair, Jason McKinnon, escreveu em um comunicado divulgado no sábado.

A companhia aérea, que concluiu sua declaração com um pedido de desculpas aos passageiros sujeitos ao assunto, alertou que reembolsaria aqueles afetados pelo arranjo ou decisão de viagem alternativa.

Além disso, a Ryanair lamentou o cancelamento dos voos de Lisboa para Agadir nos dias 1 de outubro, 1, 3 e 5 de novembro; Voos de Lisboa para Fez nos dias 21 de outubro e 4 de novembro e voos de Lisboa para Marrakech nos dias 1 e 4 de novembro. A companhia aérea informou que os voos do Porto a Marrakech vão operar conforme planejado.

Por outro lado, ao esclarecer o pedido da Ryanair para operar três novas rotas da ANAC ao Marrocos, a autoridade não concluiu o processo de candidatura, dificultando a análise dos elementos e dando a sua aprovação para apresentação fora do prazo.

READ  As 30 Melhores Críticas De pastoral americana Com Comparação Em

“Embora o pedido da Ryanair tenha sido encaminhado à ANAC, a comissão solicitou à empresa que fornecesse os documentos faltantes no prazo de 15 dias do início das rotas, em violação ao prazo mínimo existente.” A ANAC escreveu em nota em 22 de outubro.

Anteriormente, o governo italiano condenou Ryan COVID-19 por repetidas violações de medidas de saúde e ameaça de bloquear voos de e para a Itália.

De acordo com a Autoridade de Aviação Civil Italiana (ENAC), a Ryanair não conseguiu operar aeronaves a 50 por cento da capacidade, portanto, o requisito de distância social não foi cumprido. Na época, a Ryanair usava 29 aeroportos italianos, o que significa que bloquear esses voos reduziria muito o número de voos.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

O Porta Voz