Atraso na emissão de carteiras de identidade pós-Brexit coloca agência de fronteiras de Portugal em destaque

Portões, controle de passaporte e sinais de banheiro são vistos no aeroporto de Lisboa, Portugal. 24 de junho de 2016. REUTERS/Rafael Marchante//File Photo

Registre-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

LISBOA, 8 Ago (Reuters) – O SEF, agência de fronteiras de Portugal, enfrenta críticas por atrasos na emissão de carteiras de identidade pós-Brexit para milhares de cidadãos britânicos no país, colocando em evidência um problema estrutural que afeta várias outras comunidades migrantes há anos.

Quase 35.000 cidadãos britânicos chamaram Portugal de sua casa em 2019, um ano antes da saída do Reino Unido da União Europeia (UE) e, como parte do acordo de retirada, seus direitos deveriam ser salvaguardados.

Eles foram instruídos pelo SEF a trocar suas autorizações de residência da UE por cartões de identificação biométricos, mas a grande maioria não recebeu esses cartões e recebeu apenas um documento temporário e um código QR, que os grupos de campanha afirmam não serem amplamente reconhecidos.

Registre-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

Tig James, co-presidente da British em Portugal, disse que sem o cartão as pessoas têm lutado para ter acesso aos cuidados de saúde, trocar a carta de condução, arranjar emprego e alguns até foram ameaçados de recusa de entrada em Portugal porque outros países da UE não aceitam a autorização temporária. documento.

James disse que os funcionários do SEF citaram a escassez de pessoal, períodos de férias, COVID-19 e a chegada de refugiados ucranianos para justificar o atraso de três anos.

“A gravidade (de não ter o cartão)… não pode ser subestimada, paralisou e prejudicou os cidadãos do Reino Unido… emocionalmente, fisicamente e financeiramente”, disse James.

READ  Primeira venda direta de casa para Bitcoin em Portugal

Em comunicado, o SEF disse que o documento temporário e o código QR garantem o acesso aos serviços de saúde e sociais e serão aceites até à emissão do cartão. Ele disse que outros países europeus estavam cientes disso.

A emissão dos cartões começou em fevereiro nas ilhas dos Açores e da Madeira, onde vivem menos de 1.500 britânicos, e o SEF disse que vai iniciar o processo no concelho balnear de Cascais, perto de Lisboa, este mês.

O SEF não respondeu a uma questão sobre quantos cartões foram emitidos até ao momento.

Durante anos, o SEF foi acusado de ser muito lento e ineficiente, com a organização Diáspora, que apoia principalmente migrantes do Brasil e do continente africano, dizendo que as pessoas esperam em média dois a três anos para conseguir uma consulta.

Helena Schmitz, da Diáspora, disse que o tempo de espera trouxe “insegurança e instabilidade” à vida dos migrantes, que muitas vezes têm de trabalhar em empregos precários e temem apresentar queixas de discriminação por falta de documentos de identificação.

“É muito mais profundo do que simplesmente não ter uma autorização de residência”, disse Schmitz à Reuters, acrescentando que “grupos privilegiados” geralmente têm mais acesso ao SEF porque podem pagar advogados para cuidar do processo.

Registre-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

Reportagem de Catarina Demoni; Edição por Inti Landauro e Alex Richardson

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

DETRASDELANOTICIA.COM.DO PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
O Porta Voz