Documentos ligados à polêmica cidadania portuguesa de Abramovich vazam online

JTA – A questão de como o bilionário judeu russo Roman Abramovich obteve a cidadania portuguesa e um passaporte europeu se agitou no último mês, especialmente depois que um rabino responsável por certificar os pedidos de cidadania foi preso no início de março.

Agora, um tesouro de documentos associados ao pedido de cidadania portuguesa de Abramovich vazaram online, com possíveis ramificações para dezenas de milhares de pessoas que aguardam para saber se seus próprios pedidos serão aprovados.

Os documentos incluem testemunhos de rabinos e outros sobre as credenciais sefarditas de Abramovich, exigidas por uma lei de naturalização de 2013 para descendentes de judeus sefarditas que Portugal promulgou para expiar sua perseguição durante a Inquisição. A Espanha promulgou uma lei semelhante, mas sua janela limitada foi praticamente fechada.

Não está claro como os documentos, que incluem o que parece ser uma fotocópia não editada do passaporte israelense de Abramovich, foram parar online. Também não está claro se os documentos refletem o total associado ao pedido de cidadania de Abramovich.

Mas o que está claro é que o pedido de Abramovich fez o caso de que ele tem raízes sefarditas, apesar de seu sobrenome que parece Ashkenazi – e que os documentos vazados provavelmente não convencerão os céticos de que essas alegações foram examinadas minuciosamente.

Rabinos proeminentes enviaram cartas em nome do empresário, que doou muitos milhões para causas judaicas em todo o mundo. Mas os documentos vazados online não incluem uma árvore genealógica ou outra pesquisa genealógica apresentada por muitos outros candidatos à cidadania, incluindo alguns que tiveram seus pedidos rejeitados.

READ  Incêndios devastadores devastam áreas de Espanha e Portugal

Um dos rabinos cuja carta consta do dossiê confirmou a autenticidade da sua declaração a um jornalista português que trabalha em colaboração com a Agência Telegráfica Judaica. A JTA não conseguiu confirmar de imediato a autenticidade de todos os documentos do dossiê.

A naturalização de Abramovich tornou-se um símbolo de suspeita de abuso da lei que permitiu que dezenas de milhares de pessoas se tornassem cidadãos de Portugal, membro da União Europeia.

Portugal anunciou que apertaria drasticamente a lei em meio a notícias de que Abramovich, cuja cidadania foi concedida em abril de 2021, está sujeito a sanções internacionais contra oligarcas em conexão com a invasão russa da Ucrânia.

Abramovich ganhou bilhões na indústria petrolífera russa, mas negou que tenha feito parte do círculo íntimo do presidente russo, Vladimir Putin.

O Ministério da Justiça português havia aberto uma investigação criminal relacionada ao seu pedido por suspeita de fraude no final de 2021 e, no início deste mês, prendeu o rabino que o certificou. O rabino, Daniel Litvak, foi impedido de deixar o país enquanto a investigação continua.

Litvak é o rabino-chefe do Porto, uma das duas comunidades, juntamente com Lisboa, confiadas pelo governo com a tarefa de vetar todos os pedidos. A comunidade disse que cobrava 250 euros, ou cerca de US$ 270, por aplicativo tratado.

Antes da lei de cidadania, a comunidade portuense dizia não ter dinheiro suficiente para consertar o teto mofado de sua única sinagoga. Agora, a mesma comunidade possui um novo micvê, um banho ritual e um museu do Holocausto. Emprega um rabino em tempo integral e seguranças e produziu um longa-metragem sobre sua própria história.

Após a detenção de Litvak, a comunidade portuense anunciou que deixaria de certificar as candidaturas porque “não está mais interessada em cooperar com o Estado”. A comunidade negou qualquer irregularidade e também ignorou os pedidos para divulgar documentos relevantes para o pedido.

READ  Bucks-Hawks score, takeaways: Chris Middleton helps Milwaukee to a 2-1 lead; All eyes on Trey Young's ankle

O dossiê vazado parece ter sido montado como uma defesa, embora não diga quem o produziu. Contém imagens da Comunidade Judaica do Porto e notícias favoráveis ​​a Abramovich, bem como um documento não assinado afirmando que a sua candidatura “foi produzida correctamente à luz do mundo judaico e da lei portuguesa”.

Ilustrativo: Congregantes carregando um rolo da Torá na sinagoga Kadoorie – Mekor Haim no Porto, Portugal, 29 de janeiro de 2016. (Cnaan Liphshiz / JTA)

Mas, a menos que a comunidade do Porto ou outros tenham documentos adicionais, o dossiê faz pouco para melhorar a perspectiva de que a lei permaneça em sua forma atual.

Ao contrário de muitos outros pedidos – incluindo aqueles que foram rejeitados – o dossiê vazado não contém uma árvore genealógica nem testes genéticos nem qualquer outra evidência sólida e verificável de que Abramovich pode traçar suas raízes na Península Ibérica.

Em vez disso, um dos documentos centrais do dossiê é uma declaração de 108 palavras de Alexander Boroda, presidente da Federação das Comunidades Judaicas da Rússia, a principal organização Chabad-Lubavitch naquele país e de longe a maior organização judaica lá.

Boroda “pode certificar que Roman Abramovich é descendente de judeus sefarditas; ligação sentimental preservada a Portugal; [is a] membro da comunidade sefardita; é de ascendência portuguesa; é judeu português sefardita”, lê-se no comunicado.

Sob o subtítulo “justificação”, Boroda escreveu apenas: “Esta certificação é baseada em meu conhecimento de testemunhos de Roman Abramovich e em uma entrevista pessoal que conduzi. Confirmo que Roman Abramovich preserva os rituais, estilo de vida, tradições e costumes alimentares sefarditas. ”

Boroda confirmou a autenticidade do seu depoimento a Ana Filipa Nunes, jornalista portuguesa que o entrevistou sobre o assunto para o canal de televisão SIC enquanto reportava sobre o dossiê em colaboração com a JTA.

O presidente da Federação Russa das Comunidades Judaicas, Alexander Boroda, discursa no Museu Judaico de Moscou e no Centro de Tolerância durante o Dia Internacional em Memória do Holocausto, marcando o 75º aniversário da libertação do exército soviético do campo de extermínio nazista de Auschwitz em Moscou, Rússia, em 27 de janeiro de 2020. (Foto AP / Alexander Zemlianichenko)

O Centro Educacional Sefardita, uma organização com sede em Jerusalém dedicada à promoção da cultura sefardita, apresentou um documento de posição muito mais longo cujo principal argumento é que Abramovich é sefardita porque seu sobrenome significa “filho de Abraão”. Muitos judeus sefarditas também tinham esse nome, embora em hebraico, Ben Avraham, explica o jornal.

READ  As propriedades em Portugal têm os seus próprios "números de identificação únicos"

Outra declaração veio do rabino Yonah Leib Lebel, um seguidor do movimento hassídico de Breslov. Lebel afirma que Abramovich tinha ancestrais que pertenciam à comunidade judaica sefardita de Hamburgo. O sobrenome do avô paterno de Abramovich era Leibovich, que significa filho de Leib, uma versão iídiche de Leon. Leon é um nome comum na Península Ibérica, diz o comunicado.

A carta de Lebel também afirma que descendentes não identificados de Abramovich costumavam viver na cidade polonesa de Poznan, onde um fundador de Chabad chamado Portugaler viveu. “Desde então, a família estava ligada a isso”, escreveu Lebel, referindo-se a Chabad.

O dossiê, que contém vários artigos de notícias apoiando a noção de que Abramovich tem um apego ao judaísmo sefardita, também apresenta uma fotocópia de um passaporte israelense de Abramovich válido até 2023. Abramovich ganhou a cidadania israelense em 2018 sob o direito de retorno do país para judeus que desejam Viver lá.

Nesta foto de arquivo tirada em 7 de fevereiro de 2006, o dono do Chelsea Football Club da Inglaterra, o multibilionário russo Roman Abramovich, visita o Muro das Lamentações em Jerusalém (OREL COHEN / AFP)

Na carta de apresentação não assinada do dossiê, seus autores dizem que ver a candidatura de Abramovich como uma bola de neve em um escândalo foi traumático para os judeus no Porto.

“Esta notícia originou uma onda de ataques imensos contra a comunidade judaica e foi sentida como uma nova expulsão”, escreveram, mas não especificaram o que queriam dizer com “ataques”. Levou a comunidade judaica de Portugal e a do Porto “a temer não apenas um ‘caso Dreyfus'”, escreveram, referindo-se a um infame julgamento anti-semita em 1896 na França, “mas também um ataque terrorista de extrema direita, porque [the community] estava ‘vendendo o país’. Isso aconteceu em Halle na Alemanha!” os autores escreveram, referindo-se ao ataque mortal de um neonazista a uma sinagoga em 2019.

A Comunidade Judaica do Porto não respondeu de imediato a uma consulta da JTA sobre as origens do dossiê e se tinha algum comentário sobre o seu conteúdo. Nenhum ataque físico contra judeus foi relatado na cidade nas últimas semanas.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

DETRASDELANOTICIA.COM.DO PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
O Porta Voz