Impacto das tempestades solares na fase elétrica de Portugal

Um estudo que reúne dezenas de investigadores da Universidade de Coimbatore (UC) está a explorar o impacto das tempestades solares na fase de potência em Portugal.

O projecto, denominado “MAG-GIC: Correntes induzidas por Campo Geomagnético no Território Português”, visa “calcular, medir e monitorizar a amplitude destas correntes geomagnéticas induzidas em Portugal”, referiu a UC.

O estudo reúne especialistas de dois centros de investigação da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbatore (FCTUC) – o Centro de Pesquisas Terrestres e Espaciais (CITEUC) e o Laboratório de Engenharia Biomédica e Radiofísica (LIBPhys-UC). .

O projeto é uma colaboração entre investigadores do Instituto Dom Luiz de Lisboa e engenheiros da REN (Redes Energéticas Nacionais).

Durante dois anos, a equipa analisou correntes designadas por GICs (correntes induzidas geomagnéticas) para recolher informação sobre as “características da rede de transporte de energia” e fazer medições geofísicas que nos permitiriam calcular a condutividade da litosfera no Continente. . ”, Dizia a nota.

Em seguida, para testar os valores GIC calculados, os pesquisadores compararam esses indicadores com as observações.

Para tanto, os pesquisadores do LIBPhys-UC desenvolveram um sistema de recuperação, análise e registro de dados com acesso remoto.

O sistema, instalado na subestação do Paraimo, distrito de Aveiro, permite à fase de gestão monitorizar as redes em tempo real e à distância para “perceber o efeito das perturbações do campo magnético terrestre provocadas pelas tempestades solares através da REN”.

Ao longo do projecto, os investigadores calcularam a distribuição dos GICs nas subestações da rede eléctrica da REN e identificaram “valores estimados de factores particularmente sensíveis”.

As medições em curso estão a ajudar a confirmar os efeitos do clima espacial na rede nacional de transporte de energia.

READ  Apelos para “Refugiados do Clima” no Porto

A próxima fase da investigação, “Compreender como estas correntes afetam individualmente os diferentes componentes do circuito, especialmente os transformadores das subestações da REN”, conclui Alexandra Pies.

No futuro, os investigadores pretendem instalar mais sensores em outras subestações da REN para dar continuidade à investigação.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

O Porta Voz