Jovens activistas de Portugal levam 32 governos a tribunal por não terem conseguido combater as alterações climáticas

Andre Oliveira, 15, e Sofia Oliveira, 18, posam para foto em Almada, Portugal, 29 de julho de 2023. Eles faziam parte de um grupo de seis. Eles intentaram ações no Tribunal de Justiça Europeu contra 32 países por não terem cumprido a sua parte. Para evitar a catástrofe climática. Foto de Pedro Nunes/REUTERS

COSTA DA CAPARICA, Portugal (AP) – Sofia Oliveira tinha 12 anos quando incêndios florestais devastadores no centro de Portugal mataram mais de 100 pessoas em 2017. Ele sentiu que era “agora ou nunca levantar a voz” à medida que seu país emergia. O domínio das mudanças climáticas mortais causadas pelo homem.

Agora, uma estudante universitária, Sofia e cinco jovens e crianças portugueses com idades entre os 11 e os 24 anos compareceram na quarta-feira no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, onde acusaram 32 governos europeus de violarem os seus direitos humanos. Incapacidade de abordar adequadamente as alterações climáticas. Este é o primeiro caso sobre alterações climáticas apresentado em tribunal e apela à acção para reduzir significativamente a poluição e construir infra-estruturas mais limpas.

Ver: Como a liderança jovem está a mudar a ação climática

A sua vitória em Estrasburgo será um exemplo poderoso de como os jovens tomam medidas legais para forçar os seus governos a rever radicalmente a sua acção climática.

As decisões do tribunal são juridicamente vinculativas para os Estados-Membros e o incumprimento torna as autoridades responsáveis ​​pelas multas mais elevadas determinadas pelo tribunal.

Os tribunais são cada vez mais vistos pelos activistas como uma forma de despolitizar e responsabilizar os governos. No mês passado, num caso apresentado por jovens ambientalistas, um juiz do estado americano de Montana decidiu que permitir o desenvolvimento de combustíveis fósseis viola o direito constitucional a um ambiente limpo e saudável.

Quando a seleção portuguesa decidiu entrar com uma ação judicial em 2017, Sofia começou a sétima série na escola usando aparelho nos dentes e sendo mais alta que seu irmão mais novo, André. O aparelho já desapareceu há muito tempo e Andre, agora com 15 anos, é alguns centímetros mais alto que ela.

READ  Portugal 2024: Revelados Artistas e Músicas das Finais Nacionais!

Os últimos seis anos, observou Andre em entrevista à Associated Press, representam metade de sua carreira.

O que chamam de evidência convincente de que a crise climática está a piorar foi o que os manteve a percorrer as pilhas de documentos legais recolhidos pelo grupo sem fins lucrativos que os apoia e os confinamentos durante a pandemia da COVID-19.

A Praia do Norte, na Costa da Caparica, perto de onde Sofia e André vivem, a sul da capital portuguesa, Lisboa, tinha cerca de 1 quilómetro (3.000 pés) de comprimento quando o seu pai era velho, diz André. Agora, em meio à erosão costeira, tem menos de 300 metros (1.000 pés) de profundidade. Evidências como essa o levaram a participar de protestos climáticos antes de se tornar adolescente.

Os outros quatro membros do grupo português – Caterina, Cláudia, Martim e Mariana – são irmãos e primos que vivem na região de Leiria, no centro de Portugal, onde os incêndios florestais de verão são comuns.

Os cientistas dizem que o clima do Saara atravessa o Mediterrâneo até aos países do sul da Europa, como Portugal, onde as temperaturas médias estão a subir e a precipitação está a diminuir. O ano mais quente de Portugal foi 1997, seguido por 2017. O país de 10,3 milhões de habitantes teve os quatro anos mais secos desde 2003.

É uma história semelhante em toda a Europa, e os argumentos jurídicos dos seis portugueses são apoiados pela ciência. De acordo com a Organização Meteorológica Mundial, a Terra aqueceu para o verão mais quente do Hemisfério Norte, e agosto incluiu uma temporada de temperaturas brutais e mortais.

Os cientistas dizem que o mundo está muito longe de se comprometer a conter o aquecimento global através da redução das emissões, em linha com os requisitos do acordo climático de Paris de 2015. As estimativas sugerem que as temperaturas médias globais poderão aumentar entre 2 e 4 graus Celsius (2,6 a 7,2 Fahrenheit) em relação aos tempos pré-industriais até 2100, com base nas actuais trajectórias dos programas de aquecimento e de redução de emissões.

READ  A extrema-direita portuguesa volta a rugir - Politico

consulte Mais informação: Chefe da ONU alerta que ‘portas do inferno’ estão fechadas na cúpula do clima, mas poluidores de carbono permanecem em silêncio

Os impactos específicos listados pelos jovens portugueses incluem não conseguir dormir, concentrar-se, brincar ao ar livre ou fazer exercício durante ondas de calor. Uma de suas escolas foi temporariamente fechada devido ao ar irrespirável devido à fumaça do incêndio florestal. Algumas crianças têm problemas de saúde, como a asma, que as tornam mais vulneráveis ​​ao calor e à poluição do ar.

Estão a ser assistidos pela Global Legal Action Network, uma organização internacional sem fins lucrativos que desafia as violações dos direitos humanos. Uma campanha de crowdfunding recebeu apoio de todo o mundo, com mensagens de apoio vindas de lugares tão distantes como Japão, Índia e Brasil.

Gerry Liston, diretor jurídico da GLAN, diz que 32 governos “banalizaram” o caso. “Os governos se opuseram a todos os aspectos do nosso caso… a todos os nossos argumentos”, disse ele.

Andre descreve os governos como “complacentes”. Sophia acrescenta: “Eles não veem o clima como uma prioridade”.

O governo de Portugal, por exemplo, reconhece que os direitos ambientais e humanos estão ligados, mas insiste que as “acções do governo procuram cumprir as suas obrigações internacionais nesta área” e não podem ser criticadas.

Ao mesmo tempo, alguns governos na Europa estão a recuar nas promessas que já fizeram.

A Polónia apresentou contestações legais no mês passado com o objectivo de revogar três das principais políticas da UE em matéria de alterações climáticas. Na semana passada, o governo britânico anunciou um adiamento de cinco anos na proibição de novos carros a gasolina e diesel, que deveria entrar em vigor em 2030. Enquanto isso, a proposta de orçamento de estado do governo sueco na semana passada reduziu os impostos sobre o gás e o diesel. Financiamento para ações climáticas e ambientais.

READ  As 30 Melhores Críticas De Comunicação Não Violenta Com Comparação Em

No meio destes desenvolvimentos, os tribunais são vistos pelos activistas como um recurso.

Globalmente, o número total de processos judiciais relacionados com as alterações climáticas mais do que duplicou desde 2015, para mais de 2.000, de acordo com a London School of Economics. Um quarto foi lançado entre 2020 e 2022, diz.

Os activistas portugueses que não procuram qualquer compensação financeira terão de esperar um pouco mais. A decisão sobre o seu caso poderá demorar até 18 meses, embora considerem a decisão de acelerar a decisão do tribunal em 2020 como um sinal encorajador.

Ver: Como os jovens das ilhas do Pacífico ajudaram a levar a justiça climática ao Tribunal Mundial

Um precedente também anima os entusiastas. A Fundação Urgenda, uma organização holandesa que promove a sustentabilidade e a inovação, abriu o primeiro processo do mundo contra o governo holandês, no qual os cidadãos argumentaram que o seu governo tinha o dever legal de prevenir alterações climáticas perigosas.

Em 2019, o Supremo Tribunal Holandês decidiu a favor de Urgenta, decidindo que a meta de redução de emissões estabelecida pelo governo era ilegalmente baixa. Ordenou às autoridades que reduzissem ainda mais as emissões.

Como resultado, o governo decidiu encerrar as centrais eléctricas a carvão até 2030 e adoptou pacotes de milhares de milhões de euros para reduzir a utilização de energia e promover as energias renováveis.

O consultor jurídico de Urgenda, Dennis van Berkel, acusou os governos de escolherem metas de alterações climáticas “politicamente convenientes” em vez de ouvirem os cientistas do clima. Os juízes poderiam forçá-los a justificar o que fazem em questões climáticas, disse ele.

“Atualmente não existe tal estudo em nenhum nível”, disse ele à AP. “É uma coisa extremamente importante para a qual os tribunais podem contribuir.”

Os escritores da Associated Press Samuel Petrequin em Bruxelas e John M. Olson contribuiu para este relatório.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

DETRASDELANOTICIA.COM.DO PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
O Porta Voz