Operação Tempestade Perfeita: 73 já carregados

A investigação do ex-ministro das Relações Exteriores, que é ‘indivíduo’ no caso, continua

O Ministério Público (MP) de Portugal indiciou 73 arguidos na Operação Tempestade Perfeita, processo relacionado com a prestação de obras pela Direcção-Geral dos Recursos de Defesa Nacional (DGRDN) do Estado.

Entre os arguidos está o ex-director da DGRDN, Alberto Coelho, que responde pelos crimes de corrupção passiva, branqueamento de capitais, fraude e falsificação de documentos.

Não indiciado está Marco Capitão Ferreira – o ex-secretário de defesa recentemente demitido que é citado nas investigações em andamento.

Explica que o processo contra Marco Capitão Ferreira é considerado ‘separadamente’ e ainda está sob investigação.

A agência noticiosa estatal Lusa descreve a acusação de Tempestade Perfeita como apelando à condenação de Alberto Coelho a pagar mais de 86 mil euros ao governo.

O ex-diretor financeiro da DGRDN, Paulo Morais Franco, também foi indiciado. Ele enfrenta várias acusações de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e falsificação de documentos. A Lusa diz que os procuradores esperam que Morais Franco pague 415 mil euros de restituição ao governo (se condenado).

Francisco Marquez, ex-diretor de infraestruturas e serviços patrimoniais, “está a ser chamado a pagar quase 272 mil euros”, refere a Lusa.

Além destas três pessoas, estão indiciadas outras quatro pessoas que trabalham no Ministério da Defesa, 36 empresários e suas famílias e 30 empresas, segundo o Diário de Notícias.

A SIC Notícias deu entretanto um resumo da tempestade perfeita:

“No ano passado, uma megaoperação da PJ e do Ministério Público (MP) conduziu a uma busca às instalações da Direção-Geral dos Recursos de Defesa Nacional “no âmbito de uma investigação a atividades realizadas entre 2018 e 2021”.

“As buscas estão relacionadas à Operação “Tempestade Perfeita”, que envolveu vários altos funcionários do Departamento de Segurança Nacional e investigações sobre corrupção ativa e passiva, fraude, participação econômica em negócios, abuso de poder e lavagem de dinheiro e atividades ilegais. Para contratos adjudicados.

READ  As 30 Melhores Críticas De Material De Desenho Com Comparação Em

“A obra (reforma) do antigo hospital militar de Belém, em Lisboa, está em risco, está encerrada (…)

O A gestão de João Gómez Cravinho como ministro da Defesa está sob investigação.

Sobre as investigações ao papel de Marco Capitão Ferreira, o SIC explica: “Quando Gómez Cravinho ocupava a pasta da defesa, aprovou a revisão do contrato de manutenção dos helicópteros EH-101 sem a garantia do Tribunal de Contas.

“O contrato terminou em 2018, o João Gómez Cravinho pediu uma renegociação assim que terminou, e três meses depois decidiu rescindir o contrato sem motivo aparente.

“Tudo isto levou à assessoria indireta de Marco Capitão Ferreira, em que recebeu 61.500€ em cinco dias através de um contrato que não existia. É, portanto, suspeito de crimes de corrupção e participação económica em negócios.

Até o momento, o ministro Cravinho – atualmente no comando do Itamaraty – não foi apontado como suspeito nas investigações. Muitos críticos opinaram que sua posição no governo é inaceitável.

[email protected]

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

DETRASDELANOTICIA.COM.DO PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
O Porta Voz