Um acelerador no coração do movimento da biotecnologia marinha em Portugal

Em março de 2023, o O Instrumento de Economia Azul InvestEU concedeu 28 milhões de euros a PME e pequenas empresas de economia azul, principalmente em Portugal e Espanha. O financiamento é uma vitória para o governo português, que há meia década tenta impulsionar a indústria nacional de biotecnologia marinha.

A biotecnologia marinha (ou azul) se enquadra na economia azul, que inclui qualquer atividade econômica baseada nos oceanos e outras vias navegáveis. Embora grande parte da economia azul portuguesa hoje esteja ligada ao setor pesqueiro e alimentar, o governo está particularmente interessado em desenvolver indústrias azuis de alto valor que convertem biomassa do mar em produtos químicos. Setores Farmacêuticos, Biológicos e Cosméticos.

Em 2019, Portugal trabalhará com a UE para publicar um roteiro de políticas para estimular a “inovação sustentável” em torno dos bio-recursos marinhos. Uma estratégia sugerida foi incentivar mais aceleradoras em todo o país para startups que trabalham nessa área.

Dois anos antes da publicação do Roteiro, o Blue Bio Value Accelerator, com sede em Portugal, estava em funcionamento. O Blue BioValue continua a ser o acelerador de economia azul mais conhecido de Portugal e um dos poucos programas no mundo concebidos para ajudar as startups de biotecnologia marinha a escalar e comercializar. Observa e apoia muitos tipos de startups que Portugal e muitos outros países que implementam quadros nacionais para o desenvolvimento da biotecnologia azul desejam atrair para as suas costas.

O que o acelerador está procurando?

Os Blue Bio Value Scouts desenvolvem produtos sustentáveis ​​de base biológica feitos de recursos marinhos para startups em estágio inicial. A MAZE, instituição de caridade fundada por um magnata do petróleo português em 1956, é uma empresa de investimento de impacto que trabalha com a BluebioAlliance, uma ONG portuguesa que promove o setor da biotecnologia azul, a Fundação Oceano Azul e a Fundação Calouste Gulbenkian.

As startups elegíveis podem estar em qualquer lugar do mundo, mas devem ter desenvolvido produtos que atendam a determinados critérios. Além de ter potencial de mercado e escalabilidade demonstráveis, os produtos que desenvolvem devem ser baseados em avanços científicos ou tecnológicos que solucionem os principais desafios técnicos. Eles também devem abordar questões climáticas, ambientais e sociais.

Em 2022, o programa recebeu 84 candidaturas de 39 países e 5 continentes. Em junho, foram selecionados dezoito deles, todos com vaga em um curso de mentoria de estratégia de negócios de 7 semanas, convite para o pitch final em Portugal e adesão de 1 ano à BlueBio Alliance.

READ  Portugal entre os destinos preferidos dos espanhóis, mostram os números de abril

Blue Bio Value “Melhor da categoria”

A cada ano, a BlueBio seleciona alguns dos ‘melhores’ participantes dentro do Value Group e os recompensa com € 45.000 para gastar na rede Blue Demo da BlueBio Alliance. Isto dá-lhes acesso a infraestruturas e serviços relacionados com a bioeconomia azul de Portugal.

Os três vencedores do ano passado foram a Exogenous Therapeutics, de Portugal, que transforma subprodutos industriais do processamento de microalgas em soluções de saúde à base de nanovesículas, a Proteon Pharmaceuticals, da Polônia, que desenvolve aditivos alimentares à base de bacteriófagos para aquicultura, e a Sophis, uma proteína produtora de nutrientes vegetais da Holanda.

A terapêutica exógena é uma entrada na biotecnologia marinha convencional. É focado principalmente em biotecnologia de saúde, mas sua proposta de valor Blue Bio apresentou um novo plano para unir sua experiência com a indústria microbiana industrial.

Eles desenvolvem uma maneira de recuperar exossomos de microalgas, a parte das células de microalgas que carregam material genético, proteínas, lipídios e metabólitos de águas residuais de processamento de microalgas.

Usando esses resíduos da indústria doméstica microbiana de alimentos e rações de Portugal, a empresa desenvolveu uma maneira de criar bioprodutos médicos que, segundo a empresa, podem aumentar o valor original da biomassa de 2,5 a 10 vezes. A água filtrada após o processo pode ser reaproveitada pelos produtores de microalgas.

Em 2021, as três melhores startups do grupo eram igualmente internacionais e amplas em P&D. A portuguesa Blue Oasis Technology, uma startup de tecnologia de conservação construindo e instalando recifes artificiais neutros em carbono, a norueguesa Dexlo Seafood, que usa algas marinhas para produtos alimentícios frescos, e a argentina Feedwax, que produz vacinas orais para peixes de aquicultura.

Com aplicações em segurança alimentar, segurança e saúde, estes são os tipos de startups oceânicas que o governo português deseja ver desenvolver no seu país.

Estratégia Portuguesa para o Crescimento Azul

Aceleradores como o Blue BioValue têm um papel proeminente na estratégia de crescimento azul de Portugal por várias razões.

A ideia dos aceleradores é reunir essas empresas em um só lugar, já que ainda existem algumas empresas trabalhando com biotecnologia marinha. Isso beneficia tanto o país anfitrião quanto os participantes do programa: novas conexões entre startups semelhantes, bem como entre startups e empresas estabelecidas que surgem durante o acelerador, tornam mais provável a criação de uma cadeia de valor coerente de produtores que se apoiam mutuamente. vai emergir. Esses programas criam vínculos entre potenciais fornecedores e consumidores, desde os coletores de biomassa até os processadores.

READ  As 30 Melhores Críticas De ipad 128gb Com Comparação Em

Um dos elementos chave do programa é que as três startups tenham acesso à Blue Demo Network mais bem selecionada, que as ajuda a encontrar soluções para as suas necessidades de negócio nas infraestruturas e serviços de Portugal. Ao oferecer às startups uma amostra do seu ecossistema de negócios de economia azul, Portugal está a ganhar exposição como um potencial centro de negócios de base biológica.

Estes eventos deixam claro para as autoridades portuguesas que tipo de projetos de biotecnologia azul estão surgindo pelo mundo. Pode informar o trabalho de política em mais infraestrutura e serviços necessários no país para permitir que startups estrangeiras e domésticas se expandam lá.

Os aceleradores, no entanto, são apenas parte da visão de longo prazo de Portugal para desenvolver uma bioeconomia azul avançada. Em seu roteiro de 2019, previu um banco de investimento azul público-privado e linhas de crédito garantidas por bancos para o setor azul.

A construção de infraestrutura para empresas de biotecnologia marinha também é uma prioridade. Isso inclui instalações de desenvolvimento de protótipos e pilotos e ‘biobancos’ contendo recursos genéticos que os biotecnólogos podem usar para desenvolver cepas funcionais.

Um dos principais objetivos do governo português é focar na criação de uma bioindústria em torno de algas e micróbios marinhos. A fim de impulsionar suas bioindústrias em muitos países, os produtos de algas marcam duas caixas: eles são capazes de produzir produtos químicos de alto valor em muitos setores, enquanto as plantas fornecem matérias-primas renováveis ​​de baixo carbono.

Expansão infinita?

Costas e oceanos representam uma nova fronteira de recursos para negócios em todo o mundo, e Portugal é um dos muitos países que implementam projetos de “crescimento azul” para capturar mais receita de suas costas e oceanos. Estes incluem Quênia, Vietnã, China e Costa Rica.

O apelo do crescimento azul é que ele visa conciliar crescimento com sustentabilidade, inovação tecnológica com redução de impactos ambientais. Propôs que as indústrias e os governos podem maximizar a receita de recursos naturais subutilizados, conservando a biodiversidade, contribuindo para reduções líquidas nas emissões de carbono e evitando a poluição da água, tudo dentro dos limites ambientais.

Os defensores do crescimento azul dizem que as biotecnologias têm o potencial de substituir matérias-primas renováveis, biológicas e de baixo consumo dos oceanos do mundo por minerais não renováveis. A ampla alegação é que, ao desenvolver biotecnologias em torno dos recursos marinhos, as empresas com fins lucrativos incentivarão os atores econômicos de maneiras que tornem o oceano mais sustentável e permitam a descarbonização mais ampla dos bens e da indústria.

READ  Princesa Eugenie manterá os direitos do Palácio de Kensington apesar da mudança de Portugal | Real | Notícia

A outra atração do crescimento azul é que os oceanos permanecem espaços naturais praticamente intocados. Ainda mais incomum é a aquicultura marinha, a prática de cultivar culturas aquáticas em águas costeiras. Grande parte da colheita do oceano ainda gira em torno da captura selvagem. A vasta gama de biodiversidade subaquática, classes e ordens, e os recursos genéticos inexplorados fornecidos por esponjas, moluscos, peixes e plâncton menos estudados são o sonho dos biotecnólogos.

No entanto, é a vastidão e a selvageria do oceano que extrairão o máximo da nova bioeconomia azul. Espaços naturais não desenvolvidos são facilmente degradados. Embora as indústrias de base biológica usem recursos renováveis ​​e as biotecnologias avançadas possam fornecer eficiências que os recursos minerais não renováveis ​​não podem, ainda há limites para o quanto pode ser permanentemente removido dos ecossistemas marinhos. .

Assim como em todas as outras áreas da vida econômica, há poucas evidências de que o uso de recursos possa ser dissociado dos impactos ambientais – mesmo quando se trata das macro e microalgas resistentes e quimicamente versáteis apresentadas em muitos projetos de desenvolvimento de crescimento azul.

Por esta razão, os planos nacionais para desenvolver um setor de biotecnologia marinha precisam delinear mecanismos robustos para quanto de um determinado recurso biológico pode ser explorado antes de danificar as funções do ecossistema.

As avaliações de impacto ambiental para todo o ciclo de vida da biotecnologia marinha precisam entender se elas realmente fornecem biodiversidade, emissões de carbono e ganhos líquidos para as populações locais na região onde a biomassa é obtida. Esses planos devem estar vinculados às metas nacionais de redução de carbono para avaliar o quanto eles contribuem para as metas climáticas globais.

Como vemos no setor de energia renovável, novas indústrias não surgem espontaneamente. Eles precisam de apoio político, compromisso regulatório e espaços para formar novas parcerias. Da mesma forma, a sustentabilidade não flui automaticamente da biotecnologia marinha – ela deve ser examinada e reexaminada a cada etapa.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

DETRASDELANOTICIA.COM.DO PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
O Porta Voz