Vale do Douro em Portugal deve ser sua próxima viagem de vinho

O Vale do Douro é uma das regiões vinícolas mais conhecidas do mundo. (Na verdade, é a região vinícola demarcada mais antiga – declarada em 1756, quando era uma potência para o vinho fortificado conhecido como Porto.) Mas este canto de Portugal tem sido um vinho turismo região por apenas cerca de duas décadas.

A UNESCO concedeu ao vale, com seus terraços íngremes e placas de nome adoravelmente enormes, Estatuto de Património Mundial em 2001. Mas como tantas outras coisas nestes tempos de pandemia, as comemorações e comemorações são adiadas. Qual é outro erro de arredondamento? Vamos chamá-lo de 20º aniversário.

Jorge Dias, CEO da Porto Cruz, uma casa do Porto com mais de 150 anos de história (e uma das poucas de propriedade portuguesa), ajudou a encabeçar aquela candidatura à UNESCO.

“Estou orgulhoso por ter participado em todo este processo, desde o início como vice-coordenador da candidatura, depois na administração pública e, mais recentemente, na vertente do investimento privado, na Quenta Ventozelo,”Diz o empresário, referindo-se ao seu novo hotel vinícola. Continua orgulhoso por ter trabalhado na “gestão da paisagem e na criação de oferta turística alinhada com os valores que sempre defendi”.

A designação, diz ele, mudou muitas coisas, “felizmente para melhor. Aumentou a consciência cívica da população e da administração sobre a importância da preservação e salvaguarda do seu património; na gestão da vinha, há maiores preocupações com a sustentabilidade ambiental; a oferta cultural e, sobretudo, a oferta turística aumentaram enormemente… Não tenho dúvidas em afirmar que o selo Património Mundial contribuiu positivamente para o desenvolvimento do Douro.”

Dias e Gran Cruz adquiriram o Ventozelo em 2014, mas o abriram como hotel de luxo apenas em 2020. Um precursor do enoturismo foi Luísa Amorimde quem Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo foi o primeiro hotel adega a abrir no Douro, em 2005 (e que se tornou o primeiro membro duriense do Relais & Châteaux em 2021).

“O fenômeno do turismo abre muitas oportunidades para jovens e moradores locais expandirem seus pequenos negócios e reconstruir suas propriedades”, diz ela. “Nós viajamos muito pelo mundo. Conhecíamos e entendíamos Napa Valley e tantas outras regiões vinícolas. A nossa ideia era que as pessoas viessem e [try] uma quinta (propriedade) no Douro, de uma casa de família portuguesa e adega. Agora tentamos melhorar consistentemente as nossas experiências de enoturismo para que todos os anos tenhamos mais hóspedes de todo o mundo.

“Também temos que ter em mente que há 20 anos quase não tínhamos [quality] vinhos tranquilos ou marcas fortes. O Douro foi uma região de vinho do Porto, mas hoje somos mundialmente conhecidos não só pelo Porto mas também pelos fantásticos vinhos tranquilos DOC Douro (classificados com 100 pontos em algumas das revistas especializadas mais influentes). ”

Mas Cristiano Van Zeller, integrante de uma das famílias vitivinícolas mais importantes da região desde o século XVII — e mais recentemente membro fundador da influente Meninos do Douro coletivo – adverte que “o vinho seco não é uma novidade”. O proprietário do Quinta do Vale Dona Maria continua: “Nunca foi. Muito estava sempre seco… mas durante décadas foi visto como um desperdício de boas uvas. Foi considerado um subproduto. Ninguém se importou.”

Agora as pessoas se importam. Bastante.

Van Zeller e os seus companheiros Douro Boys começaram a apostar no vinho de mesa de boa qualidade nos anos 90. “Foi o início de uma pequena revolução”, lembra. “A região sempre teve uma magia forte principalmente por causa do vinho do Porto, mas estava preparada para ter uma posição forte em todo o mundo do vinho.” E é por isso, diz ele, que Dias e outros lutaram pelo reconhecimento da UNESCO no início deste século.

Agora os Douro Boys estão a trabalhar para contrariar a ideia de que os vinhos portugueses são “baratos e alegres”, apenas uma boa relação qualidade/preço. “Estamos em uma região cara”, diz Van Zeller, reconhecendo os desafios do clima, das mudanças ambientais e do solo. “Precisamos fazer as pessoas sonharem com a qualidade.”

Outro sonhador, de outra geração, que tem objetivos semelhantes é Tiago Macena, que recentemente assumiu o cargo de enólogo da Quinta da Vacaria, depois de ter trabalhado anteriormente em outras adegas no vale e outras regiões de Portugal. A maior mudança nos últimos 20 anos, diz ele, é a “atenção aos vinhos tranquilos. Todos conheciam o nosso fantástico vinho generoso, a região demarcada… Agora os vinhos tranquilos mantêm-se face aos vinhos de outras grandes regiões do mundo.” Até os brancos, um fenômeno ainda mais recente.

Esse é o papel de Vacaria na transformação do vale, diz ele. “Queremos ter diferentes bons brancos baseados em lotes de uvas tradicionais, desde os blocos de vinha mais antigos, para mostrar que o Douro não é apenas Porto mas sim grandes vinhos. Não estamos reinventando a roda. Aproveitamos a variedade de uvas, exposições e solos.”

Eles também estão no enoturismo, com um hotel pequeno e confortável e uma “vinícola 100% visitável” programada para abrir neste verão. O objetivo é que seus hóspedes passem dois ou três dias em uma “experiência imersiva, um circuito integrado” de aprendizado sobre o vinho.

Como visitar (de acordo com Insiders)

Onde ficar

Numa das maiores e mais antigas quintas do Alto Douro, a Ventozelo tem 29 quartos, um restaurante de talentoso chef Miguel Castro e Silva, uma instalação de degustação de vinhos em um bosque de laranjeiras, um centro de visitantes e muitas trilhas para caminhada pelas vinhas e pela natureza selvagem. É tudo polido, mas nada disso é agressivamente liso. Em vez disso, ainda parece uma fazenda onde a boa hospitalidade antiquada é estendida a todos.

do Amorim Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo— Datado de 1764 — é um lugar profundamente encantador, com vistas espetaculares e uma profunda sensação de calma. Tem a sensação de uma grande casa de família portuguesa, que recentemente viu um upgrade de seus 11 suntuosos quartos. O local destaca-se também pelo museu, repleto do acervo da família Amorim com mais de 500 utensílios vintage, documentos e outras efémeras vitivinícolas, e pelos seus vinhos invulgares, com destaque para o branco à moda da Borgonha chamado Mirablis, que o enólogo Jorge Alves destaca para sua “sofisticação sedosa e aromas de carvalho”.

Quando abrir neste verão, Quinta da Vacaria oferecerá outra imersão na experiência do Vale do Douro, enquanto para os visitantes que desejam uma experiência de hotel de luxo mais tradicional (menos foco nas vinhas), o Six Senses Vale do Douro— Recomendado por todos com quem falei para este artigo — continua a ser o porta-estandarte do serviço cinco estrelas (e fabulosos banhos na floresta) na região, e o design avançado Douro 41, no extremo oeste da região, oferece vistas espetaculares do rio.

Onde comer

Recomendada universalmente, a ribeira DOC in Folgosa é o local de alta gastronomia mais sexy da zona, com excelente comida do chef Rui Paula, que tem duas estrelas Michelin no seu excelente restaurante fora do Porto, a Casa da Chá da Boa Nova.

Dias se destaca Toca da Raposa em Ervedosa do Douro, conhecida pelos clássicos regionais como o ensopado de javali e o arroz no forno com cabrito, e Casa dos Ecos no Pinhão, o recente pop-up na adega da família Symington do chef Pedro Lemos, estrela Michelin. E Macena sempre vai direto para O Lagar em Escalhão, um local conhecido pelo seu serviço acolhedor e excelente bacalhau (bacalhau salgado).

Onde beber

Não é preciso dizer que Quenta Ventozelo, Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo, Quinta do Vale Dona Maria e Quinta da Vacaria valem a pena uma visita. É aconselhável reservar com antecedência, principalmente para suas atividades relacionadas à colheita.

Os enólogos com quem conversei também enfatizam Quinta do Seixo (Sandeman) em Valença do Douro, Quinta do Crasto (conhecido por uma variedade de vinhos de mesa brancos e tintos, bem como do Porto), Quinta da Vallado por seus 300 anos de história, e Quinta do Bonfim (Symington), também a atual sede da Casa dos Ecos.

E então o que vem a seguir?

Um tema que não parava de surgir nas conversas com os enólogos era a sustentabilidade. Desde a aquisição da Quinta de Ventozelo”, diz Dias (referindo-se aos sentimentos dos demais), “procurámos potenciar o enorme potencial da propriedade. Trata-se não só de trabalhar a riqueza e diversidade dos seus vinhos, mas também investir no azeite, no gin, no mel, nas hortas biológicas, na valorização dos ecossistemas, no enoturismo e no turismo de natureza.

“Temos vindo a desenvolver estratégias de gestão do solo mais próximas da natureza, para regenerar os ecossistemas e as suas funções de suporte à produção sustentável. Os espaços não nos pertencem; nós apenas os desfrutamos, com a obrigação de cuidar deles para as gerações futuras.”

READ  Espanha e Portugal marcam pontos de varíola símia à medida que os casos aumentam

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

DETRASDELANOTICIA.COM.DO PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
O Porta Voz