Descubra como Marrocos influenciou Yves Saint Laurent numa exposição em Portugal este verão

Yves Saint Laurent e seu parceiro Pierre Bergé viajaram pela primeira vez para Marrakesh em 1966 e foram recebidos por uma semana inteira de chuva. Mas no dia em que o sol saiu, o casal se apaixonou perdidamente pela cidade, comprou imediatamente uma casa e voltou regularmente ao longo dos anos com os amigos. Marrocos tornou-se a sua casa longe de casa e um santuário criativo para Saint Laurent, o país onde esboçava designs para as suas próximas coleções antes de as trazer de volta ao seu estúdio em Paris. Stephan Johnsonestilista francês e amigo de Saint Laurent e Bergé, fala sobre como Marrakesh abriu o pioneiro 20ºos olhos do costureiro do século XX para a cor e o “Amor” exposição em cartaz até 30 de outubro de 2022, da qual co-curou no Palácio Duques de Cadaval em Évora, Portugal, ao lado de Mouna Mekouar e Alexandra de Cadaval.

Você conheceu pessoalmente Yves Saint Laurent. Qual foi o objetivo de sua primeira visita ao Marrocos em 1966?

Escapar. Ele queria sair de Paris. Ele nasceu na Argélia, que tem o mesmo tipo de clima do Marrocos. Clara Saint, que era amiga dele e trabalhava com ele, sugeriu que ele fosse para Marrakech e ele disse: “OK, vamos para Marrakech”. Choveu o tempo todo que ele e Pierre Bergé estiveram lá, e eles adoraram. Eles gostaram muito e se apaixonaram pelo lugar. Quando voltaram para Paris, haviam comprado uma casinha linda e minúscula, Dar el-Hanch, a Casa da Serpente.

Esta primeira visita já mudou a visão de cores de Yves Saint Laurent?

Não naquela primeira visita. Durante essa visita, foi seduzido pelo modo de vida dos marroquinos, seus ritmos e gestos. Então, na segunda visita, ele estava trabalhando em sua coleção e me disse: “O poder e a qualidade da luz no Marrocos me fizeram ver as cores de uma maneira diferente”. Portanto, não foi apenas o que viu nas ruas que o seduziu, mas também a qualidade da luz.

Conte-me sobre o uso da cor como matéria-prima.

Começando a olhar para a vida simples e cotidiana, ele me disse uma vez que se lembrava de ter ido ao souk em Marrakech. Ele estava olhando para essas duas senhoras: uma estava vestindo rosa pálido e a outra estava vestindo lilás, e eram lindos juntos. Então eles conheceram um amigo que tinha um cafetã roxo, e ele achou que era uma combinação interessante. Então eles se separaram e a mulher de túnica roxa caminhou sozinha e ela conheceu outra senhora com um túnica ferrugem. De repente, tornou-se como outra cor. O valor das cores mudava de acordo com o que estavam ao lado. Foi aí que começou a olhar para o seu trabalho e a usar a cor como matéria-prima.

Foi também sobre os reflexos graças à luz do sol…

Sim, o jogo de sombras e o sol. Ele era muito sensível a isso. Foi quando descobriu cores que antes não lhe interessavam muito: todas as cores da terra, da areia e tons muito naturais que eram enriquecidos pela luz do sol. Ele disse: “Antes eu trabalhava com bege, e quando eu estava no Marrocos, descobri que bege podia ter 100 cores de acordo com a sombra e o sol”. Quando percebeu que era bom em cores, decidiu se tornar o melhor nisso. Ele era bem assim: ele sempre quis ser o melhor. Quando as pessoas começaram a ver uma combinação de cores uma ou duas vezes, depois disso, para cada coleção, ele achou que tinha que surpreendê-las mais, então ele estava realmente jogando como um artista.

Por que a indústria da moda considerou Yves Saint Laurent um grande colorista?

Porque ele criou novas combinações de cores que se tornaram clássicas, como rosa e fúcsia e laranja. Antes, ninguém juntava essas cores e, de repente, tornou-se um clássico no momento em que o usou.

Como as influências do Marrocos se refletiram nas coleções de Yves Saint Laurent?

O que foi muito interessante foi que ele tirou muito do vestuário masculino, como o smoking, terninho e casaco de ervilha, e também todas as coisas que ele tirou do Marrocos eram de homens, o que surpreendeu muito as senhoras marroquinas. Ele tirou de roupas masculinas para fazer roupas femininas porque as roupas femininas marroquinas escondiam o corpo com caftans, golas redondas, mangas grandes, roupões que iam até o chão e não mostravam o corpo versus roupas masculinas com faixas na cintura, áreas onde a roupa era apertada e o belo movimento de suas capas. Para os ocidentais, ninguém sabia que era de homens no Marrocos, mas são principalmente elementos do guarda-roupa masculino que ele tornou feminino. Quando ele desenhou sua coleção masculina, foi fantástico porque era exatamente igual à feminina; ele apenas mudou o lado dos botões. Você tinha as mesmas jaquetas e camisas, e era fluidez de gênero antes mesmo de ser pensado. Ele foi um pioneiro em muitos campos.

Como escolheu os 14 looks de prêt-à-porter Yves Saint Laurent expostos na exposição “Love” na Igreja de São João Evangelista no Palácio Duques de Cadaval?

Felizmente, Madison Cox, Presidente da Fundação Pierre Bergé – Yves Saint Laurent, me deu permissão para misturar temporadas e anos porque acho que a grande força de Yves Saint Laurent foi construir um guarda-roupa, não apenas fazer uma declaração para uma temporada, o que ele fazia em todas as temporadas. Todas as vezes, o que ele fez permaneceu como uma peça importante no guarda-roupa de uma mulher. Quando terminei minha seleção para a exposição, mostrei para três mulheres que conheço: uma que foi uma grande fã de Yves Saint Laurent durante toda a vida e duas mulheres que trabalharam com Yves Saint Laurent por 20 anos. Perguntei-lhes o que achavam da mistura de estações. Eles disseram: “É a maneira como usamos”. Então para mim foi a prova de que isso era realidade e não apenas mostrar peças de museu.

Qual é a faixa de anos das peças expostas?

O primeiro é de 1972 e o último de 1992. O primeiro look é muito importante porque há uma capa de lã bege de 1981, uma túnica de seda de 1974, uma saia de lã de 1978, um colar de contas de uma coleção desconhecida e um lenço de seda de os anos 80. Você os junta e fica perfeito. Para o look número 13, é uma capa de lã verde de 1972, um vestido de lã de 1984 e um gorro de lã de 1976. Agradeço muito a Madison Cox porque nunca foi feito antes pela Fondation Pierre Bergé – Yves Saint Laurent. Sempre apresentou roupas como nos desfiles de moda. Jacques Grange, que decorou várias casas para o Sr. Saint Laurent, disse-me: “Lembro-me desta roupa, mas não me lembro dela”. Isso porque nunca foi uma roupa. Expliquei a ele que as peças eram de coleções diferentes, e ele disse que parecia que sempre foi assim. Essa era a ideia.

READ  Toni Terry mostra sua incrível figura de biquíni ao se juntar ao marido John em Portugal

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

DETRASDELANOTICIA.COM.DO PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
O Porta Voz