Governo acusado de “abandonar pessoas”

O coordenador do BE acusou o Governo de “abandonar todas as pessoas que vivem do seu salário em Portugal”, por não reconhecer que a inflação vai continuar.

“Este Governo acaba de abandonar todas as pessoas que vivem do seu salário em Portugal porque recusa um facto fundamental: este ciclo de inflação não é uma conjunção de alguns meses que vão passar agora”, declarou Catarina Martins.

O líder do Bloco de Esquerda (BE) considerou que, se António Costa “teve esperança” de que a inflação fosse passageira quando apresentou o programa eleitoral do PS em Janeiro, “já deve ter perdido”.

“Agora, com uma guerra na Europa e com a instabilidade e a segurança cada vez mais sendo o pretexto para processos especulativos que fazem subir os preços, insistir que isso é apenas um parêntese é absurdo e irresponsável”, sublinhou.

As pessoas precisam de respostas

Apelando a que seja dada resposta às pessoas que têm de “contar os tostões” todos os meses – “enquanto há quem ganhe milhões” – Catarina Martins criticou os aumentos salariais e previdenciários previstos, que “estão a 1%, cinco vezes abaixo a inflação que se faz sentir até ao final de março”.

Na sua resposta, o primeiro-ministro disse que “todas as instituições internacionais, e mesmo nacionais, prevêem que o fenómeno inflacionista” será transitório e temporário ao longo deste ano”, convidando o líder do Bloco de Esquerda a “ver as previsões do Banco Europeu Central”, do Banco de Portugal ou do Programa de Estabilidade.

Problema transitório

“Todos apontam para um ponto: este ano é um ano em que a inflação não continua no ano seguinte e é, portanto, um problema eminentemente transitório. E tem causas conhecidas: começou com a ruptura das cadeias produtivas durante a pandemia, depois agravou-se quer com o aumento dos preços da energia, quer com as novas rupturas nas cadeias de abastecimento, com a eclosão da guerra pela Rússia, com a invasão da Ucrânia”, indicou.

READ  Portugal: Ryanair anunciou uma nova base na Madeira

O primeiro-ministro apelou assim para que seja atacada “a raiz do problema”, considerando que estes problemas residem no “custo da energia” e no “custo de alguns fatores de produção que correm o risco de contaminar o conjunto de outros bens, nomeadamente os géneros alimentícios”.

Não é um mundo perfeito

“Se o mundo é perfeito? Não, o mundo não é perfeito. O mundo será melhor quando a Rússia se retirar da Ucrânia e a paz for restabelecida, o mundo será melhor quando as cadeias de abastecimento forem restabelecidas, o mundo será melhor quando alcançarmos as interligações com a Espanha e a Espanha com a França, o mundo será melhor quando, em 2026, já temos 80% da eletricidade, e não apenas 60% da eletricidade, de fontes renováveis”, sublinhou.

“Trabalhar para melhorar o mundo é algo que fazemos todos os dias e continuaremos a fazer”, acrescentou.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

DETRASDELANOTICIA.COM.DO PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
O Porta Voz