Kate Humble percorre o Portugal intemporal que os turistas sentem falta Viagem

EU amo um mapa. E o mapa do norte de Portugal é bom: um redemoinho aparentemente impenetrável de linhas de contorno bem compactadas e alturas de pontos que são tão atraentes quanto assustadoras. É aqui que estou agora, no meio da paisagem que representam aquelas linhas rodopiantes, copo de vinho verde na mão, deleitando-se com o brilho da satisfação de saber que esta é uma bebida bem merecida.

Nos últimos dias, meu marido, Ludo, e eu exploramos essas montanhas a pé. Apesar de termos percorrido muito menos terreno do que teríamos feito de carro, esta introdução imersiva a uma parte de Portugal que não conhecíamos, mas que há muito queríamos visitar, deu-nos muito mais. do que algumas fotos bonitas de grandes vistas. No ritmo de caminhada você não vê simplesmente um lugar: você o ouve, cheira, interage com ele. Olhando para o mapa agora, podemos refazer não apenas nossa jornada, mas lembrar pequenos detalhes e incidentes que nos dão a sensação de ter realmente estado aqui, em vez de apenas de passagem.

Começamos a nossa caminhada nas encostas acima da bonita vila de Arcos de Valdevez, descemos de táxi num trilho para o Parque Nacional da Peneda-Gerês. A vegetação era familiar — samambaias, tojo e urze. Pequenas borboletas marrons esvoaçavam em nosso caminho. Um urubu circulava preguiçosamente em um céu sem nuvens. Ao fazermos uma curva, o suave tilintar dos sinos nos alertou para um pequeno rebanho de vacas pastando em uma encosta acima de nós. Eles eram particularmente bonitos; gado cachena, local da região. Parecem vacas Jersey – pequenas, cor de cobre, com olhos grandes e gentis e cílios invejavelmente longos. Mas seus chifres espetaculares, em forma de guidão de uma bicicleta Chopper dos anos 1970, dão a eles o ar de superioridade que algumas pessoas têm ao usar um chapéu magnífico. Havia manadas de cavalos selvagens também, nariz com cauda, ​​silvando para as moscas enquanto seus potros esguios pairavam à sombra dos adultos ou jaziam, de braços abertos pelo calor, na grama cortada.

Gado Cachena

Pois estava quente. Tal como o Reino Unido e grande parte da Europa, Portugal estava nas garras de uma onda de calor. Não é o clima ideal para caminhadas, mas pelo menos nossa rota para a semana nos levaria por uma mistura cênica de terras altas expansivas; ravinas e vales; florestas frescas e profundamente sombreadas de pinheiros, carvalhos e mimosas; e através de pequenas aldeias. Aqui, vinhas carregadas de uvas cresciam sobre treliças que se arqueavam pelas ruas estreitas entre as casas, lançando sombras manchadas e bem-vindas.

READ  George Clooney não comprou a mega mansão 'Hamptons de Portugal'

E cada vez que encontrávamos água, entrávamos nela. Aproximando-nos do final do nosso primeiro dia, aproximando-nos da aldeia do Soajo onde passaríamos a noite, o nosso trilho levou-nos a descer uma ladeira até uma ponte que atravessava um pequeno ribeiro. A água era clara, fluindo sobre grandes pedras arredondadas. Quase escondido pela ponte havia uma lacuna entre as pedras que parecia grande e profunda o suficiente para submergir. Era o céu. Estou surpreso que não assobiamos como panelas quentes sendo passadas sob uma torneira fria.

É uma triste verdade que muitas das aldeias desta região de Portugal estão a morrer. Encantadoras casas de pedra antigas estão abandonadas; os pequenos campos e socalcos que os rodeiam, fruto de um trabalho duro inimaginável, estão agora cobertos de vegetação e abandonados. Mas Soajo é diferente, graças ao esforço coletivo de moradores como Rosa e Pedro.

Gerações da família de Rosa viveram no Soajo. É onde ela cresceu e onde ela e o marido administram um pequeno restaurante. Rosa cozinha a comida de sua herança: bacalhau e carne de cachena cozida longa e lentamente no forno e servida com arroz e feijão – mais ensopado do que pilaf – e tão cheia de sabor que você ronrona quando come. A sua tia deixou-lhe uma das antigas casas de aldeia em granito típicas da região, e a Rosa e o Pedro a restauraram, transformando-a em dois apartamentos auto-suficientes, um dos quais ficámos. Estava cheio de móveis e ornamentos tradicionais, confortáveis ​​e caseiros. Rosa havia deixado as coisas para o café da manhã e os ingredientes de um piquenique para a caminhada do dia seguinte na geladeira, e o pão da padaria da aldeia foi entregue à nossa porta na manhã seguinte.

Celeiros usados ​​para armazenar milho

Celeiros usados ​​para armazenar milho

PAULO COSTA/GETTY IMAGES

A casa ficava ao lado da pequena praça da vila. O Soajo tem uma história longa e algo régia e embora hoje vivam lá menos de 1.000 pessoas permanentemente, é muito mais uma “aldeia viva” com um supermercado, uma igreja ativa, um pequeno mas brilhante museu e uma das melhores lojas de ferragens que já conheci. já visitou. Os jardins e os terraços são cultivados e pastados; Há vasos de flores coloridas, gatos sonolentos e cachorros latindo nos quintais. Pilhas de lenha aguardam o inverno. E em um afloramento de granito exposto na borda da aldeia estão 24 celeiros semelhantes a sarcófagos – pequenas construções de pedra usadas para armazenar milho, encimadas por cruzes para proteção divina.

READ  Dunas de areia e maresia: como passar o fim de semana prolongado perfeito na Comporta, Portugal

10 lugares secretos que os locais adoram em Portugal
Os melhores passeios de Portugal

Regressámos ao Soajo na noite seguinte depois de percorrer parte da Via Mariana, percurso de peregrinação que nos levou até à vila da Peneda. Foi um passeio adorável – provavelmente o meu favorito da semana. Saímos do Soajo por um trilho de pedregulhos de granito enterrados na terra e tão velhos que as pedras carregam as marcas de décadas de rodas de carroças que passam por cima delas. À medida que ganhávamos altura, a paisagem se abria diante de nós; uma visão estonteante de penhascos altos, fendas mergulhando em rios invisíveis e pequenas aldeias espalhadas entre as árvores. Fizemos o nosso piquenique junto a um santuário no topo de uma colina, à sombra de pinheiros e na companhia de libélulas e papa-moscas, olhando para a Peneda ao longe com o seu enorme Santuário de Nossa Senhora da Peneda do século XVIII pairando sobre as casas. Algumas horas depois, tendo subido as centenas de degraus até a igreja, nadamos em uma espetacular piscina escondida graças a um homem local que nos contou o segredo. Comemoramos o final de um dia glorioso com uma cerveja, à espera do táxi para nos devolver ao Soajo.

Este é o grande luxo de uma caminhada como esta. Já fiz algumas caminhadas de longa distância, geralmente por conta própria, carregando uma barraca e vivendo de rações desidratadas, e embora eu adore fazê-las – tanto pelo desafio quanto pela sensação de ser totalmente autossuficiente – elas não são o que Muitos, incluindo Ludo, consideram umas férias relaxantes. Eu tento cobrir mais de 20 milhas por dia; higiene pessoal é rudimentar, alimentação básica, arranjos de dormir espartano e encontrar rotas um pouco errôneas. Também já fiz caminhadas em grupo com guia e, embora seja infinitamente mais fácil ter outra pessoa se preocupando com a logística e não se perder, não sou sociável ou paciente o suficiente para apreciá-los.

READ  As 30 Melhores Críticas De lapiseira 0.7 Com Comparação Em

Aqui temos o melhor dos dois mundos, caminhando entre paradas noturnas em lugares que vão desde casas de aldeia até um hotel verdadeiramente lindo em um antigo mosteiro. Enquanto isso, nossa bagagem foi transferida sem problemas entre eles, deixando-nos carregar as poucas coisas que precisávamos todos os dias. E embora caminhássemos sozinhos – para podermos viajar ao nosso ritmo, parar quando quiséssemos, observar pássaros e ver bichos (eu) e bisbilhotar curiosidades arqueológicas e eclesiásticas (Ludo) – tínhamos um guia em forma de passos meticulosos – notas passo a passo e informações básicas. Eles nos levaram infalivelmente de um chuveiro, garrafa de vinho verde e cama confortável para o próximo.

As rotas também não eram longas — nunca mais do que 16 quilômetros por dia — embora por ser uma região montanhosa, nossas pernas estavam devidamente esticadas, nossos corações disparados e havia um pouco de respiração ofegante. Mas as recompensas eram inegáveis. Esta é uma parte do mundo com paisagens deslumbrantes, mas surpreendentemente vimos muito poucos outros caminhantes. Nem uma vez nós suamos até um ponto de vista para encontrá-lo lotado de pessoas fazendo beicinho em seus telefones.

E agora, passando pela cidade termal do Gerês, pelo vale do Rio Caldo e pela vila de peregrinação de São Bento, estamos no fim da nossa viagem, olhando para trás as linhas do mapa, já não assustadoras mas agradavelmente familiares, convidativas .nos a imaginar onde poderíamos caminhar em seguida.

Kate Humble foi hóspede do Inntravel, que tem sete noites de hospedagem a partir de £ 925pp, incluindo transporte e algumas refeições extras (inntravel.co.uk). Voe para o Porto

Inscreva-se no nosso Boletim Times Travel e siga-nos Instagram e Twitter

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

DETRASDELANOTICIA.COM.DO PARTICIPE DO PROGRAMA ASSOCIADO DA AMAZON SERVICES LLC, UM PROGRAMA DE PUBLICIDADE DE AFILIADOS PROJETADO PARA FORNECER AOS SITES UM MEIO DE GANHAR CUSTOS DE PUBLICIDADE DENTRO E EM CONEXÃO COM AMAZON.IT. AMAZON, O LOGOTIPO AMAZON, AMAZONSUPPLY E O LOGOTIPO AMAZONSUPPLY SÃO MARCAS REGISTRADAS DA AMAZON.IT, INC. OU SUAS AFILIADAS. COMO ASSOCIADO DA AMAZON, GANHAMOS COMISSÕES DE AFILIADOS EM COMPRAS ELEGÍVEIS. OBRIGADO AMAZON POR NOS AJUDAR A PAGAR AS TAXAS DO NOSSO SITE! TODAS AS IMAGENS DE PRODUTOS SÃO DE PROPRIEDADE DA AMAZON.IT E DE SEUS VENDEDORES.
O Porta Voz